Poesia evangélica tem sido discriminada, lamenta poeta

A música tem sido privilegiada em detrimento de outras artes, reivindicou o poeta Soldado Wandalika, numa entrevista concedida ao portal Arautos da Fé. O poeta falou dos seus projectos pessoais e exortou os poetas e poetizas a saírem da igreja para levar a Palavra de Deus às ruas por via a poesia. 

Soldado Wandalika

Soldado Wandalika

Como é está o movimento da poesia gospel?

O movimento da poesia gospel tem crescido bastante, pés embora de forma isolada. Não há um local onde os poetas gospel se encontram para fazer poesia ou para partilhar ideias, mas tem crescido bastante. Têm surgido bons poetas gospel e também poetisas pregando a Palavra de Deus por meio da poesia, fazendo a poesia crescer. Além da poesia tradicional tem aquela poesia que é mais palavra falada – spokenword. Alguns poetas como Wandalika fazem esse tipo de poesia e têm elevado a poesia gospel não só a igrejas, mas também em casas culturais. Estamos a crescer de forma massiva e nos conteúdos.

Quais são os lugares em que os que gostam de poesia gospel podem ir para ouvir um poeta?

Ao Praiseart. Também já se faz poesia gospel na União dos Escritores Angolanos – todos os sábado tem poesia gospel. O evento não é de poesia gospel mas dentro do evento há poetas gospel. O movimento Levart tem feito também esse trabalho as quintas feiras no King’s Club, na Vila Alice. E em outros locais que agora não me vêem a memória, além das Igrejas, pode-se ouvir poesia gospel.

No Praiseart o movimento parece que tem estado parado!

Muito parado. Isso não é da parte dos poetas. Os poetas aparecem mas…, em conversa até com um poeta, o mais velho Ancoje, reclamou a cerca disso: os poetas aparecem e se inscrevem, só que felizmente o Praiseart prioriza mesmo a música. Essa é a realidade.
Quando há este afastamento, os poetas sentem-se excluídos e afastam-se. Vêm apenas ver o evento, não mais para participar. Penso eu, que deveria se fazer, conforme se faz com a música, todos os domingos. E não só, também há outras artes que se fazem em Angola. Tem o teatro, a dança, muitas artes que estão a ser feitas agora a nível do gospel que têm expressão.

Particularmente como é que estão os seus projectos?

Quanto a declamação, estou com uma poesia nova que é “auto-existente”. É um spokenword que as pessoas têm recebido muito bem. Uma poesia que faço com a interacção do público, não me prendo na rima, me preocupo em passar a mensagem de uma forma mais juvenil, seguindo a dinâmica da declamação actual. Tenho levado em centros culturais e também em igrejas. Tem sido bem recebida. Estamos a trabalhar para o plano de gravação dessa poesia e do videoclipe e, estou a escrever o meu livro de poesias evangélicas.

Espera apresentar esses projectos ao público ainda este ano?

Sim, o projecto da poesia gravada espero apresentar ainda este ano. O livro está a ser escrito, se der certo, tudo correr conforme está sendo projectado, este ano poderemos lançar. Se não der, poderemos fazer no princípio do próximo ano.

Já temos livro de algum poeta gospel?

Ainda não li um livro de poesias gospel na essência. Tem alguns livros de poesia que contêm alguns poemas gospel. Mas livro de poesias na essência gospel, ainda não vi. Eu gosto de leitura, gosto de ler, compro livros, já procurei mas ainda não encontrei.

E CD de poesia gospel?

Já tem. Temos do Microprofecia. Apesar de que o Microprofecia faz a junção do spokenword com poesia e o Rap. Não lembro o nome, mas vi discos de poesia gospel gravados. Acho que deveria se dar mais oportunidades aos poetas gospel. Algumas igrejas ainda barram… Devia-se fazer mais pela arte poética, sobretudo no gospel.

Qual é o apelo ou mensagem que deixa para os poetas gospel?

A todos os poetas gospel, declamadores, declamadoras e poetizas: vamos no focar no alvo da mensagem que é anunciar Jesus a todas as pessoas por meio da nossa arte. Vamos trabalhar mais, fazer letras que possamos declamar dentro da igreja e também fora da igreja.

Não nos privemos naquilo que é congregacional, escrever poesia apenas a pensar na igreja. Vamos fazer poesia a pensar na sociedade, nas pessoas que queremos alcançar, porque o Evangelho é (pra ser levado) fora. A Palavra igreja significa chamados pra fora, a mensagem é pra aqueles que estão perdidos então, vamos fazer mensagens para alcançarmos almas para Cristo e não para alcançarmos a nossa glória e não só para nós mantermos dentro da igreja, mas para sairmos e falarmos de Deus por meio da poesia.

Vamos falar de poesia nos centros culturais, vamos falar de poesia nas ruas, vamos levar a nossa mensagem com muita garra, sem descontentamento e se for rejeitado em alguns lugar ergue a cabeça, Jesus é contigo vamos fazer a poesia com toda alegria e colocar sempre Jesus em frente de tudo que fizermos.

Comentários

comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Inscreva-se para receber as novidades por email

* campos obrigatórios